terça-feira, 25 de julho de 2017

Treze anos!


Um homem esbarra com o seu melhor amigo nos tempos de escola:


“Ai, meu Deus! Denilson!”

“Nossa. José! Quanto tempo?”

“Pois é, pois é...”

“Deixa eu ver... A gente se formou em 2003... Treze anos!”

“Caramba!”

“Como o tempo passa...”

“É...”

“Pois é...”

...

“Como tem passado?”

“Tudo certo. E você?”

“Tudo bem também. Trabalhando?”

Nah, tô desempregado agora.”

Humm... Sinto muito.”

“Mas está tudo bem, daqui a pouco aparece alguma coisa.”

“Hã... Soube que casou.”

“Sim, sim, mas já me divorciei.”

Putz, cara...”

“Deixa pra lá.”

“Ainda torce pro Verdão?”

“Opa, sempre.”

“É isso aí. Mas botaram um técnico ruim pra caramba.”

“Mas é temporário, daqui a pouco voltam com aquele outro... Qual é o nome mesmo...?”

“Ah, sei qual você tá falando... Também esqueci...”

“Aquele lá era bom.”

“Mas foi lá pra China ganhar dinheiro.”

“Como se não ganhasse bem aqui...”

“É...”

...

“Bom, deixa eu ir.”

“Opa. É, eu também já vou indo.”

“Vamos marcar um dia qualquer...”

“Vamos sim. Deixa eu marcar o meu número, é que eu troquei de celular... Aqui, pode me ligar qualquer hora.”

“O meu é o mesmo daquela época.”

“Ah, então eu tenho.”

“Então tá, a gente se fala.”

Os dois se apertam as mãos.

“Falou.”

“Falou.”

Se viram meses depois. Tiveram mais ou menos a mesma conversa.


Conto de Lucas Beça

Nenhum comentário:

Arquivo do blog